Pages

sexta-feira, 1 de julho de 2016

Convite: Turismo Cultural e Ecoturismo na Região dos Quilombos

Segue em anexo o convite para participação na II Reunião de Planejamento Estratégico da Instância de Governança da região dos Quilombos a ser realizada no dia 04.07.16 na Sedetur, conforme anexo.

Veja aqui os horários da coleta do lixo em União dos Palmares

2ª 4ª e 6ª, PELA MANHÃ AS 07:30.

RUA FREI JOÃO, PRAÇA JORGE DE LIMA, CONJUNTO JAGUARIBE, RUA DO CEMITÉRIO, PRESCILIANO SARMENTO, MORADA DAS ARVORES, TERRA CAVADA, BECO DE JOÃO DA SANDÁLIA, VILA KENNEDY, RUA DAS PIRANHAS, RUA NOVA, RUA SÃO PEDRO, INSS, CORREIO, OLÍMPIA, PET, MIRIM, LOT. DE ZÉ MENDES, RUA DA LINHA, RONCADOR E CANA BRAVA, HOTEL DO PITA ATE O SEMAFORO. COSTA E SILVA, PRAÇA DO FÓRUM, COHAB NOVA, COAB VELHA, CONJUNTO PADRE DONALD, CONJUNTO ZUMBI DOS PALMARES. CONJUNTO RESIDENCIAL NEWTON PEREIRA. POVOADO DE SANTA FÉ

2ª 4ª e 6ª, PELA TARDE AS 13:30.

RUA DOS PADRES, RUA HERMANO PLECHE, BAIRRO DE FATIMA, ALTO DA BOA VISTA, RUA TRACREDO NEVES, TRAV. TANCREDO NEVES, RUA ANTONIO HONORATO (TELE CARRO DO RAUL), RUA E TRAV JOSE DOMARQUES. PRAÇA DA ALIMENTAÇÃO, RODOVIARIA, PREFEITURA, ANTONIO ARECIPO, ATÉ A PADARIA, RUA DO CHAVEIRO, CONDOMINIO SUECA, JARDIN BRASILIA, CONDOMINIO MARIO GOMES, CONDOMINIO MONSENHOR, CANGOTE. LOTEAMENTO ST. MARIA MADALENA, LOTEAMENTO ABDON VERISSIMO ll. CONJUNTO RESIDENCIAL NOVA ESPERANÇA. RUA GABINO BESOURO, RUA DAS PEDREIRAS, TEREZINHA MOVEÍS, RUA DA LINHA, TAQUARI, SEMENTEIRA, MUQUÉM, 

3ª 5ª e SABADO, PELA MANHA AS 07:30.

RUA E TRAV. SÃO VICENTE, RUA DEZ CASAS, RUA DA PALHA, RUA E PRAÇA ALTO DO CRUZEIRO, RUA AFRANIO VERGETE (MATA 4), ABDON VERISSIMO, ABOLIÇÃO, RUA E TRAV. JUVENAL MENDONÇA, RUA ABILIO GOMES E RUA TAVARES BASTOS. ROBERTO CORREIA DE ARAUJO DA IGREJA DE SÃO SEBASTIÃO ATE O DETRAN. CONJUNTO SAGRADA FAMILIA (MULTIRÃO). CONJUNTO RESIDENCIAL CAIPE l, USINA LAGINHA, POVOADO TIMBO.

3ª 5ª e SABADO, PELA TARDE AS 13:30.

VARZEA GRANDE. ROBERTO CORREIA DE ARAUJO DA IGREJA DE SÃO SEBASTIÃO ATE A CERCA DO BAIRRO DA VAQUEJADA. CONDOMINIO SANTA RITA, QUAKER, BAIRRO NOSSA SENHORA DA CONÇEIÇÃO (VAQUEJADA). POVOADO ROCHA CAVALCANTE.

COLETA NOTURNA NO COMERCIO AS 19 HORAS.

2ª 4ª 6ª e SABADO


SEINFRA, RUA MARECHAL DEODORO DA FONSECA (PREFEITURA), PRAÇA ANTENOR UCHOA, RUA MIGUEL PALMEIRA, RUA RUI PALMEIRA, PRAÇA BASILIANO SARMENTO, RUA DO POSTO JOSE DE LIMA, PRAÇA DO ROCHA CAVALCANTI, RUA SANTA TEREZINHA, AVENIDA MONSENHOR CLOVIS, RUA FLORIANO PEIXOTO, RUA LEÃO VELOSO, RUA DOMINGOS DE PINO, RUA CORREIA DE OLIVEIRA,

quarta-feira, 29 de junho de 2016

"Quero não ter medo de ter medo e não ter medo mesmo" Por Olívia de Cássia


Peço a Deus em pensamentos que me dê fé e forças, qualidade de vida e retardamento dos efeitos da ataxia. Sou muito cética diante da vida e já não acredito em ilusões. Hoje em dia perdi um pouco a capacidade de sonhar aqueles sonhos que sonhava na juventude.

Não sou muito de rezar como meu pai fazia sempre e depois também a minha mãe, mas tem dias que parece ser mais difícil a labuta. De repente a gente se vê de pés e mãos atadas diante de uma situação mais prática. "Sem lenço de sem documento", como disse Caetano.

A Doença de Machado Joseph é uma ataxia hereditária dominante e degenerativa, identificada há apenas 18 anos, transmitida em 50% dos casos dos portadores, e que conduz o paciente por uma crescente incapacidade motora, sem alterar o intelecto, culminando com sua morte. Tento não pensar que esse dia está chegando mais rápido.

A característica genética de cada um faz com que os tratamentos sejam praticamente individualizados. Segundo os especialistas, para garantir a qualidade de vida, sempre se trabalha a funcionalidade e continuidade do movimento, de preferência com uma equipe multidisciplinar liderada pelo neurologista, que, no fim das contas, é quem dita a linha do tratamento.

Ouço notícias ruins todos os dias, de todos os lados e é impossível não me envolver e fingir que está tudo às mil maravilhas. Por mais que se tenha alguma expectativa de vida, não tem notícias de cura para o nosso problema. A ataxia não tem cura ainda.

Por outro lado, a intolerância que a gente vê todos os dias na televisão e nas redes sociais é absurda e nos deixa perplexa como esses atentados mundo afora. E nosso país está vivendo sua pior crise de identidade moral e política.

Aqueles que foram às ruas pedir a saída da presidente Dilma estão calados e omissos diante desse governo interino golpista. Tento ser otimista, porque o pessimismo só nos leva a um abismo maior, mas está difícil conviver com tudo isso. Tudo junto sufoca a gente.

Não é só o pessoal, é tudo junto e misturado que nos faz introspectivos a cada dia. Procuro me acercar de tudo o que tem de melhor, ser positiva, conviver com pessoas do bem e fazer boas leituras, participar de programações interessantes, mas até isso fica limitado.

Queria ter mais recurso, já que agora tenho todo o tempo para ir às atividades culturais que sempre me ressenti de não poder participar antigamente. Ainda estou tentando me acostumar com a nova rotina. Mas de repente percebo que não é só uma questão de tempo. É muito mais que isso. Não quero ficar apática diante de tudo.

Quero continuar a ser uma pessoa pensante e consciente do que se passa à minha frente. As questões de saúde não podem me tornar uma pessoa isolada e sem questionamentos. Pelo contrário: quero não ter medo de ter medo e não ter medo mesmo.

Quanto mais eu tenho tempo, mas eu penso nas injustiças e na violência que se comete todos os dias contra os mais vulneráveis. O mundo está mais feio; as pessoas estão mais preconceituosas, intolerantes, estão regredindo e esquecendo de sonhar: só pensem no poder e no dinheiro.

Isso não quer dizer que eu seja tão pura ao ponto de querer viver franciscanamente, pois o dinheiro serve para suprir as necessidades básicas, para a diversão e para a cultura e isso para mim é o bastante, se eu pudesse ter. Mas não quero viver na neurose de querer ter tudo.

Vejo gente jovem que não sonha mais, não tem aquele brilho nos olhos que nos tornava exóticos e interessantes na mocidade e isso me deixa um tanto quanto pensativa. O que será dessas pessoas que não têm sonhos e ideais? Para refletirmos hoje. 

Boa tarde.

Trilha da interação

terça-feira, 28 de junho de 2016

Fotos do Arraiá do Tonho


 Festa de São João dos funcionários da Escola Municipal Dr. Antonio Gomes de Barros.

Meu Pequeno Refúgio (poesia) Por George W de B Cavalcanti



A noite se esvai lá fora como armistício,
Entre o burburinho e o murmúrio vadio,

E, há silêncio na rua central sob a janela
Mas, nem essa nem outra parece aquele

Caminho, da minha esperançosa infância.
 
Então, me refugio e leio a texto e mundo

Aquieto-me para encarar o que se esgota:
O tempo e seu breve fulgor de lembrança,

Enquanto escuridão emoldura meu refúgio.
 
Exaurido sou pelo teor desse terror diurno;

Uma fugaz trégua noturna a paz reconcilia,
No meu ser tão cansado de fugas da alegria.

Resta-me este cantinho, e a rotina intimista

Que, me esconde criança, a chorar baixinho.

segunda-feira, 27 de junho de 2016

Bastidores da origem do bairro Roberto Correia de Araujo

O bairro nasceu a partir de uma estratégia política de Rubinho 

Em 1975 um fato marcou a eleição para prefeito de União dos Palmares, quando Manoel Gomes de Barros (ARENA) disputou a prefeitura com José Correia Viana (MDB). Mano representava o governo e Viana à oposição.

Entenda a manobra que deu origem ao bairro:
Pesquisas populares revelavam uma certa vantagem para o candidato da oposição, fato de  preocupação para a base governista. Tendo em vista reverter esse quadro, Manoel Gomes investiu no grande comício com a presença do governador Divaldo Suruagy. O local escolhido foi as terras onde hoje está localizado o Parque Vergetão.  

Rubens Holanda e Antonio Aragão eram os locutores e animadores da campanha de Mano, os mesmos já não sabiam mais o que fazer para segurar o povo no comício, pois Suruagy estava na cidade vizinha e devido ao atraso as pessoas estavam indo embora.

Foi então que Rubinho teve uma ideia: Sem titubear, anunciou nos potentes altos falantes amarrados em caibros sob um caminhão, que o governador estava chegando e que ao chegar iria fazer a * doação dos terrenos para o povo presente, e claro, de tabela para quem votasse no candidato do governo. Mano ficou vermelho sem entender a promessa do locutor pois, não tinha conhecimento do fato, no entanto quando o Suruagy chegou,  ficou ciente da situação e acatou a ideia.

Dessa forma foram feitos mais de três mil cadastros, resultando na vitória do ex-governador Manoel Gomes de Barros para prefeito de União dos Palmares.

Portanto, “por merecimento, o bairro Roberto Correia de Araujo deveria ser chamado de Rubens Holanda, pois ele foi responsável pela estratégia política que deu a sua origem”.
* Na época não se configurava crime eleitoral as doações feitas pelos candidatos.
* Rubinho também foi o fundador do Ginásio Municipal Mário Gomes de Barros.

domingo, 26 de junho de 2016

Podemos medir o sucesso escolar?

Entrada no 3º período. Começam as preocupações com as notas num processo enlouquecedor de medir as crianças por meio de números, médias, comparando-as com os colegas, distribuindo culpas, procurando soluções mágicas (como explicações intensivas ou medicamentos milagrosos). Parece que todos os problemas e soluções resumem-se aos números da pauta. 

Parte-se do pressuposto que o objetivo na infância é ser bom aluno, como se a vida se medisse pelos resultados escolares. Mas será que o sucesso mede-se em números? Serão esses números preditores de conquistas e bons desempenhos? Um aluno de 5 é mais inteligente que um de 2? Terá um melhor futuro? Será mais feliz? 

Não pretendo desvalorizar as notas quantitativas ou os resultados das provas escritas, mas apenas dar-lhes a importância merecida. Esta avaliação tem limitações e é redutora. Mede principalmente a capacidade para reter e reproduzir a informação dada, mas é claramente insuficiente quando queremos avaliar a criança como um todo, nas áreas cognitivas, sociais, emocionais, criativas. 

Uma criança “com sucesso” vê-se por uma atitude que exprime felicidade e entusiasmo nos vários contextos da sua vida. É uma criança que gosta de aprender, que consegue resolver problemas quotidianos e aplicar o que aprendeu noutros contextos, é curiosa, exploradora e inventiva. Gosta de mexer-se e de actividade física. De sair e conhecer coisas e pessoas novas. Com os outros cria e mantém relações afectivas, sabe interagir com colegas e adultos e tira prazer dessas relações, confia nos adultos que a rodeiam e pede ajuda quando necessita, ouve e respeita as diferentes opiniões, forma opiniões próprias e expressa-as de forma adequada. Aceita as diferenças, distingue o bem e o mal, respeita os desejos e sentimentos dos seus pares.

Conhece as suas capacidades e mostra boa auto-estima, faz uma boa gestão das suas emoções, sabendo exteriorizar os seus sentimentos e lidar com eles de forma adequada. Tem uma atitude positiva face ao esforço e ao fracasso. Tem valores incutidos sobre honestidade, generosidade, humildade e capacidade de empatia. Mostra uma atitude positiva perante a vida, tem prazer no dia-a-dia, brinca, é criativa com o material, com as palavras, com as ideias e pensamentos. Tem prazer em pensar, questionar, sente que a vida é uma aventura e o esforço vale a pena e principalmente sabe que é amada pela família, pelos colegas, pelos professores e que todos de esforçam para o seu bem-estar a todos os níveis.

Tantos alunos “nota 5” a quem o facto de não ter sucesso nas outras áreas impede de avançar, de se relacionar com o mundo, de criar relações. Tantas crianças “medíocres” ou com insucesso que farão diferença positiva no mundo e naqueles que as rodeiam. O que é então uma criança bem sucedida? Porque damos tanta importância aos números e desvalorizamos outras competências? Temos um sistema de ensino que cada vez valoriza mais os números… e menos as pessoas. 

Catarina Homem da Costa Psicóloga Clinica