Pages

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Palmarinos ao lado do campeão olímpico Maurício Borges

A seleção masculina de vôlei fez bonito nas Olimpíadas ao bater a Itália (por três sets a zero) na grande final e faturar o ouro, com direito à grande festa no Maracanãzinho. E para Alagoas, a conquista teve um gostinho mais que especial porque o ponteiro Maurício Borges, natural de Maceió, entrou para a história ao se tornar o primeiro alagoano campeão olímpico. Além dele, somente Yohansson Nascimento conseguiu alcançar o lugar mais alto do pódio, só que no atletismo das Paralimpíadas de Londres, em 2012.

E se os alagoanos estão orgulhosos, o que dizer da família do atleta, que acompanhou os primeiros passos da carreira de Maurício, cuja consagração veio nos Jogos deste ano? 

E para retratar este sentimento, o Gazetaweb conversou com o irmão do jogador. Segundo Everthon Borges, toda a família segue em êxtase com o título. À reportagem, ele disse que a família Borges, "ainda eufórica com a conquista", tem vivido "uma mistura de sensações", em consequência do luto com o falecimento de Maurina Borges, avó de Maurício.

"Perdemos nossa avó materna recentemente. E além de vibrar com a medalha de ouro, o Maurício está esperando sua primeira filha, que deve nascer já nos próximos dias", contou o irmão do jogador, destacando o fato de o voleibol ter surgido na vida do atleta quando Maurício ainda era uma criança, pois, primo, mãe e avô também foram jogadores profissionais.

Ele conta também que ainda não teve contato com o irmão após a conquista desse domingo, mas que, durante os Jogos, visitou Maurício no Parque Olímpico "para dar aquela força" ao, agora, medalhista.
"Nós fomos ao Rio de Janeiro para dar uma força a ele antes da conquista. Após o ouro de ontem, chegamos a nos falar rapidamente. Ele afirmou que a medalha também era minha e de toda a família", relatou Everthon.

Maurício Borges virá a Maceió nos próximos dias para acompanhar o nascimento de sua filha, Valentina, mas não deverá permanecer por muito tempo na capital alagoana, já que precisa retornar a Turquia, em virtude dos compromissos pelo clube que defende naquele país, o Arkas Izmir Sport.

Fonte: Gazeta Web 
Fotos: Acervos pessoais

Você já sabe em quem votar nas eleições municipais 2016? Mande foto / depoimento de seu vereador / prefeito para o blog

  Mande foto e depoimento para o e-mail jmarcelop_7@hotmail.com

 Outras fotos AQUI

Você já sabe em quem votar nas eleições municipais 2016? Mande foto / depoimento de seu vereador / prefeito para o blog

 
 Mande foto e depoimento para o e-mail jmarcelop_7@hotmail.com

terça-feira, 23 de agosto de 2016

Quilombo do Palmares, o berço da resistência negra no Brasil

A Região dos quilombos é o roteiro ideal para quem busca turismo de experiência, aliando história, gastronomia e aventura

Alagoas se destaca por ser o berço da resistência negra no Brasil, tendo como principal líder Zumbi dos Palmares. O Quilombo dos Palmares, Na Serra da Barriga, localizada em União dos Palmares, foi o maior e mais bem organizado quilombo brasileiro, funcionando como uma espécie de confederação, que abrigava os vários quilombos que existiam naquela localidade. Hoje no local, além do Parque Memorial Quilombo dos Palmares, encontra-se a comunidade quilombola Muquém, importante por seu artesanato em cerâmica. O Conjunto configura-se como principal polo turístico da região dos Quilombos.

 

Chamado de Caminhos da Liberdade, o convidativo roteiro envolve etnia, cultura, natureza, ecologia, aventura e a observação de aves. Os municípios que fazem parte do roteiro são: São José da Laje, Murici, Ibateguara e União dos Palmares.


Em Murici, a natureza reina absoluta nas cachoeiras de beleza singular, como a Dias D’Avila e a Tiririca, com 86 metros de altura, o que torna o cenário ideal para prática de rapel. Em Ibateguara são as cachoeiras de Dantas e Tombador, esta última com 144 metros de altura, a maior queda d’água do Estado. Ibateguara possui ainda a maior reserva de Mata Atlântica de Alagoas e é habitada por uma diversidade de aves endêmicas.

A gastronomia da região é diversificada. A feijoada é um exemplo da época da escravidão e o preparo das iguarias preserva a tradição da época da civilização do Açúcar. Outro prato bastante apreciado é o Pitú, um tipo de camarão grande extraído em abundância nos rios da região.


A região abriga também a sede do Memorial Jorge de Lima, que guarda um acervo da vida e obra do poeta nascido em União dos Palmares, além da Igreja de São José da Laje, patrimônio católico que tem relíquias de origem francesa.

Um pouco de história

 

No dia 20 de novembro de 1695, o líder Zumbi, do Quilombo dos Palmares, foi morto em uma embosca após ser traído por um companheiro. Sua cabeça foi cortada e exposta em praça pública, na cidade de Recife, para servir de exemplo a outros escravos. Cerca de um ano antes de sua morte, no dia 6 de fevereiro de 1694, o aldeamento principal do Quilombo dos Palmares foi destruído pelos homens do bandeirante Domingos Jorge Velho, mas Zumbi conseguiu fugir. Depois de mais de um século (de 1590 a 1694), estava chegando ao fim um dos símbolos da resistência à escravidão. Localizado em um lugar de difícil acesso, no caso, o atual município de União dos Palmares, no interior de Alagoas, o quilombo foi alvo de constantes ameaças de invasão e, ao longo de sua existência, enfrentou numerosas expedições militares enviadas pelo governo para dominá-lo.

Após várias tentativas de acordo, o governo recorreu a Domingos Jorge Velho, oferecendo-lhe armas, terras e dinheiro pelo resgate dos escravos que haviam fugido. A partir de então teve início o conflito que ficou conhecido como Guerra de Palmares, em que as forças do governo saíram vitoriosas, com a destruição completa do Quilombo em 1695. Por conta da morte de Zumbi dos Palmares, no dia 20 de novembro é celebrado o dia Institui o Dia Nacional de Zumbi e da Consciência Negra no Brasil.

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

União dos Palmares em preto e branco

As fotos dessa postagem foram tiradas em agosto de 2011 em um domingo chuvoso. Há exatos 5 anos dá para ver que a Casa Maria Mariá ainda não tinha sido reformada. O museu é uma das arquiteturas mais bonitas que temos aqui em União dos Palmares.

A escolha das imagens em preto e branco foi justamente por ter essas fotos do nosso patrimônio palmarino em ângulos e cores diferentes. Nas fotografias vemos a Estação Ferroviária e linha férrea, Escola Estadual Rocha Cavalcanti, Avenida Monsenhor Clóvis Duarte de Barros, Museu Jorge de Lima, entre outros pontos.

Um desses pontos da qual não existe mais é a Vila Magdala que foi demolida para dá lugar ao Supermercado Todo Dia. Esses espaços estão em nossas memórias e nos registros fotográficos que foram tirados ao longo dos anos. 

Outro exemplo é a fotografia da Quadra de Esportes Prof. Dilson Moreira da Costa demolida em agosto de 2015, pois a área pertence à Transnordestina. Como não se pode construir nada no local, uma quadra foi montada na mesma área para que os amantes do futevôlei continuem a praticar o esporte.

O bacana de vê essas imagens é que fica no ar a esperança que o restante de nossa arquitetura seja preservado e que haja um olhar e um posicionamento mais firme quanto a sua preservação.  Outra coisa também que merece atenção da gestão municipal é o  caso das diversas barracas de lonas que se espalham diariamente pelas calçadas, pontos comerciais, ruas e até partes das pistas aqui em União dos Palmares deixando a cidade feia e com cara de abandonada.

Que mais fotos da Terra de Zumbi dos Palmares sejam tiradas para seu resgate histórico!




domingo, 21 de agosto de 2016

Cláudia Raia: “leitura é arte, imaginação e vida; passe essa herança para os filhos”

Atriz e mãe de dois filhos, Cláudia Raia reforça o valor da leitura e a importância dos pais no processo de educação das crianças. Na hora de educar, cada momento conta.

Falar sobre educação é algo que me faz lembrar minha infância. O incentivo à leitura e envolvimento com as artes, fez parte do meu crescimento como pessoa.

Minha vida sempre foi permeada pela dança, envolvida com as artes em geral. Minha mãe, sempre me incentivou muito a ler sobre as mais variadas coisas, como artes, danças, pinturas, músicas. Então, foi através desse incentivo, que eu fui lendo e me interessando cada vez mais. Aos poucos, eu lia sobre tudo que eu gostava. E aquilo me encantava.

Os pais devem inserir a leitura de uma forma delicada na vida da criança. Não como uma obrigação e sim como um prazer. A minha mãe sempre foi muito atenta com isso. Ela sempre gostou muito de ler e sempre nos incentivou, de uma forma que fez com que a gente se apaixonasse pela leitura. Acho isso muito importante para o crescimento e desenvolvimento intelectual das pessoas.

Na minha infância, por exemplo, o primeiro livro que eu li, foi Monteiro Lobato, incentivada pela minha mãe. Todas as obras dele são inesquecíveis. E eu passei a mesma coisa para os meus filhos. Os primeiros livros que eles leram também foram de Monteiro Lobato. E esse foi só o começo.

A escola que eu escolhi para os meus filhos estudarem, por exemplo, também incentiva muito a leitura na formação. Artes, artes cênicas e música. Tudo isso de uma forma muito bacana. Eles precisavam ler, praticamente, um livro por dia, por exemplo. E isso é muito importante. Esse incentivo, faz com que a pessoa aprenda a gostar da leitura. Você pratica tanto, que isso acaba virando um agradável hábito. E isso é muito bacana e importante.

E eu gosto de estar junto com eles nesse aprendizado. As histórias que eu contava para os meus filhos, quando eles eram pequenos, por exemplo. Eu sempre acabava indo para o lúdico. E o que era mais bonitinho, era que toda noite eu contava uma história para eles. Mas, nem sempre eu contava a história como ela era de verdade. Eu ia aos poucos subvertendo a história. Eu ia contando outras coisas ao longo do conto. E a Sophia, minha filha, sempre me dizia “mamãe não mude a história, o autor escreveu assim, você não pode mudar a história”. Mas isso também é muito bacana. Incentivar a imaginação é uma das melhores formas de aprendizado.

Hoje, carregamos esse legado. O hábito da leitura, a afinidade com as artes como um todo, fazem parte da nossa rotina de uma forma muito natural. Trabalhar com isso me deixa ainda mais orgulhosa. Poder transmitir esses valores tão importantes para as pessoas, me deixa muito feliz. Afinal, ninguém nasce sabendo, a leitura é um hábito. Incentive o seu filho a criar este costume.

Relembre como era a Rua do Jatobá

Click nas fotos para ver em tamanho maior