Pages

terça-feira, 9 de abril de 2019

domingo, 7 de abril de 2019

Febre nas favelas do Recife "Encontro do Passinho" chega em União dos Palmares

Maicon, Alisson, Aduilio, Douglas e Nicácio  
 
Neste domingo, (07), aconteceu em União dos Palmares o 1º Encontro do Passinho que surgiu e faz sucesso entre os jovens da periferia de Pernambuco. O ritmo já consagrado entre a nova geração é mais exaltada no contorno periférico dos centros urbanos e cidades do interior. 

Em União, o evento ocorreu na Praça Basiliano Sarmento, área central, onde centenas de adolescentes palmarinos dançaram ao som do Brega Funk. Toda movimentação foi feita nas redes sociais dos organizadores que são dançarinos e divulgam suas coreografias em suas páginas pessoais.

“Nosso grupo quis fazer esse movimento para União, já que muita gente acha um 'passo errado' e não é. É apenas diversão a gente não vai pela letra da música que na sua maioria são pornográficas, vamos pelo toque", diz Nicácio ou niick99ofc

O êxito do ritmo, danças e músicas são tanto que a equipe responsável pelo acontecimento ficou surpresa com a quantidade de pessoas, "A população maior são jovens, porém temos mães e avós que vieram trazer seus filhos e netos, ninguém imaginava que seria esse sucesso", comentou Alisson ou alissoon1
 
Os rapazes não sabem quando será o segundo encontro, os mesmo continuam postando seus vídeos nos Instagram onde são curtidos e comentados pela moçada que seguem eles nas redes.

Para o estudante Eves Silvestre da Silva, que faz licenciatura em dança na Universidade Federal de Alagoas - UFAL "É cultura e  o povo reproduz e faz. Não é o segmento que eu sigo como proposta pra dança, é uma coisa de massa popular onde os jovens estão cada vez mais aderindo" e completou "O ritmo / dança em sim é bacana, já a música excita a sexualidade das crianças e adolescentes são canções totalmente machistas", Evez dança break dance. 
  
“Vim aqui com minha família para dançar e prestigiar, espero que aconteçam novos encontros não só do passinho, mas também de dança de rua, teatro entre outras artes" disse Isaías Barbosa aluno do ensino médio / integrado Ludoteca na Escola Estadual Rocha Cavalcanti. 

Pela empolgação dos "bondes", como eles chamam os grupos os encontros de passinhos serão constantes na Terra de Zumbi dos Palmares.

Sucesso garotada!!!
 O cantor Leo Dino e o dançarino de break Eves 
Os estudantes Vinicius da Silva (Mário Gomes) e Isaías Barbosa (Rocha Cavalcanti)

quinta-feira, 4 de abril de 2019

LEO DINO, cantor palmarino e professor, faz sucesso com a música 'Dá Uma Chance'



O cantor Leo Dino, autor de algumas músicas como Pega o Contatinho no gênero funk faz sucesso entre a galera jovem ao ponto do artista palmarino lotar a Praça Padre Cícero. 

Outra canção que caiu na boca do povo foi o batidão romântico Mina Princesinha e, em seguida o lambatidão Chupa Essa Manga, que viralizou nas redes sociais.

E como as conquistas não podem parar, o artista nascido na Serra da Barriga, está contagiando toda a galera com o lançamento do som 'Dá Uma Chance', que já alcança milhares de visualizações em vários canais e páginas no Facebook.

E para os fãs não perderem nenhuma novidade o cantor tem uma conta YouTube... 

Conheça Mateus Felipe e seus desenhos de prédios antigos de União dos Palmares


Hoje, 03, o Blog Jmarcelo Fotos bateu um papo com Mateus Felipe Andrade, estudante do ensino médio / integrado Ludoteca na Escola Estadual Rocha Cavalcanti.
    
Aos 16 anos ele vem resgatando através dos seus desenhos prédios antigos que foram destruídos ao longo das décadas em União dos Palmares. Com facilidade para desenhar o futuro arquiteto analisa fotografias catalogadas pela historiadora e professora Maria Mariá de Castro Sarmento e vai montando um "quebra-cabeça" para mostrar a sociedade palmarina como eram os belos casarões coloniais que faziam parte dos espaços geográficos de União.
 
Eu acho um absurdo e fico muito triste. Porque eu, meus filhos futuramente, minha irmã não vamos ver a verdadeira história de União devido essas demolições. A cidade está perdendo sua memória e está ficando muito nova”, diz Mateus.
 
Mateus pensa em lançar um livro com todo o material que vem recolhendo com suas pesquisas sobre a cidade. “Todo material com as pesquisas fotográficas, os desenhos feitos e relatos orais da Vô Elza, que contam pequenas histórias dos imóveis, como quem morava ou quando foi feita a demolição, tudo isso farão parte de um livro”.
 
Com gostos mais refinados para música, artes e cultura do que os amigos de sua geração, Mateus  diz que muitos acham que ele tem “mente de velho” e considera isso um elogio. “Fico feliz, porque os mais velhos tem memória, tem bagagem. Na verdade eu nasci na modernidade, geração Z mas todo meu jeito de ser é da geração passada”, conclui.
 
Sobre a belíssima Escola Rocha Cavalcanti ele diz que “É gratificante estudar numa escola com aquela arquitetura, com paredes e janelas enormes. Parece que você volta no tempo, que estar no século passado e tudo um sonho”.
 
Ambientalista e parceiro da ONG União Ambiental (ele produz por conta própria diversas mudas) ele vai começar a confecção de gravuras da Avenida Monsenhor Clóvis Duarte de Barros. “É um trabalho de formiguinha. A cidade está toda na minha cabeça e se eu puder desenhar o que está na minha cabeça eu faria todo o panorama da cidade”.
 
Parabéns Mateus!!!
 
 Antiga Matriz de Santa Maria Madalena

 Frente do Clube Fênix
 

 Antigo Colégio Santa Maria Madalena 

Casarão Basiliano Sarmento
 Casa Jorge de Lima

 Correios

Fachada da loja de Seu Nequinho e vizinhos