Pages

terça-feira, 7 de julho de 2015

Therezinha Selem: "É preciso acabar com o E Nem Tô Aí... na educação no Brasil"

Se observarmos a China, do ponto de vista de seu desenvolvimento econômico, não foram tantos os anos que a separa de uma escala de quase pobreza para a potência mundial de nossos dias.  No meu entender a razão fundamental é que eles tiveram a inteligência de começar pelo caminho correto. PREPARARAM CÉREBROS.

Embora ideologicamente fechados, não tiveram dúvidas de buscar, no mundo, os melhores professores para ensinar aos seus jovens o Conhecimento. EURECA....daí pra frente o país andou sozinho, e os resultados saltam aos olhos quando se sobrevoa o padrão de desenvolvimento atingido em poucas décadas. SERÁ que É tão DIFÍCIL aprender com eles?

Quando comecei a minha carreira profissional assumi um compromisso pesado para os meus recém-completados 18 anos de idade: Professora do Preparatório ao Exame de Admissão ao Ginásio. Era o vestibular da época em que o curso primário - séries iniciais do Ensino Fundamental  - podia ser realizado fora do sistema escolar, mas o que garantia a passagem para o Ginásio, era o bendito Exame de Admissão, festejado como se hoje fosse, passar no Exame da Ordem - OAB para os advogados.

O que eu precisava ensinar àqueles alunos? ‘Sabatinados’ ao final do ano, por uma equipe do MEC, totalmente desconhecida e que o professor desta fase preparatória só avistava de longe...muito longe, e cuja avaliação o atingia também. Se a turma era bem-sucedida o professor era competente e se não fosse....Rua....Muito bem. O professor devia basicamente ensinar a Língua Portuguesa e Matemática. Isto  é fácil de entender. Se a pessoa não decodifica o que lê acaba sendo incapaz de entender História, Geografia, Física e todo o resto. A Matemática ensina o mecanismo do pensamento lógico.  E este mecanismo é a base do pensar em sua plenitude - da Literatura a problemas domésticos. São duas ferramentas alavancadoras do caminhar de cada um. É o BÁSICO.

É o alicerce sobre o qual se constrói o pensamento, que mobiliza o Agir e que se fundamenta no Sentir.

Pois é. Chegamos às notícias de jornais do dia.

Que avaliação se pode fazer do Sistema de Ensino a partir do grande  Exame de Admissão da atualidade - o ENEM - Exame Nacional do Ensino Médio - também de competência do mesmo MEC de antigamente - porta de entrada para o Ensino Superior no Brasil.

1- 6,2 milhões de estudantes fizeram o exame
2- destes, 1/2 milhão é incapaz de ler e entender um texto em sua própria língua.
3- dos 6 milhões, apenas 250 pessoas tiveram a pontuação máxima - e nem são considerados excepcionais por especialistas, são apenas bons alunos, capazes de escrever a respeito de “qualquer assunto” pois sabem decodificar o que leem. (Um destes 250 é egresso do Colégio Militar de Campo Grande - Danilo Erly, que merece os parabéns por ser Um Bom Aluno).

Assim como um professor, do meu começo, era avaliado pelo resultado de sua turma de alunos e não permanecia na instituição de ensino - no meu caso, Colégio Dom Bosco - se os alunos não fossem bem-sucedidos - claro, meu contrato de trabalho era para ensinar as matérias e conteúdos exigidos pelo sistema, logo, meu compromisso era ensinar e Ponto.

..... Gostaria de saber quem está cobrando dos professores estes vergonhosos resultados?  A que tipo de “repreparo” estes professores estão sendo submetidos? Que penalidades estão recebendo pelo massivo insucesso dos seus alunos?  Que medidas efetivas estão sendo tomadas pelo governo para que esta situação se reverta?  Que relação existe entre Mérito e Resultado para o professor que corresponda a esta relação para o aluno “aquele que não aprende, aquele indisciplinado, aquele sem limites?”  E por aí vai a lista dos “defeitos do Aluno”. Perfeito.

Mas onde está a lista correspondente dos professores? Mudou a relação contratual de trabalho?  ENSINAR o aluno a aprender Não é mais a finalidade deste contrato? Se não se cumpre o contrato Tudo fica por isto mesmo?

Juro que ando cansada de ver a doença da Desculpite que tomou conta da classe de docentes.  É a antiga chorumela - o professor ganha mal, logo não se pode exigir muito dele. Coitadinho! Tá. E daí?

Qual a responsabilidade Social deste profissional com o seu País?

Que se Brigue e muito, nos Sindicatos para que o Professor seja remunerado de forma digna. Isto é inegociável. Mas as esferas são diferentes. Não há como misturá-las. Não é o País que vai pagar o pato.

É preciso que se dê um basta aos resultados acachapantes do nosso sistema de ensino - em todas as avaliações internas e as mais vexatórias - quando comparadas com as de outros países. Morro de VERGONHA como brasileira.

Há muito, está passada a hora de se dizer BASTA! a tudo isto. Está na hora dos pais, dos empresários - que tem que importar colaboradores porque os daqui  não servem pela incompetência, dos professores dedicados e que fazem a sua parte com responsabilidade e que se sentem humilhados pela imagem que a sua classe profissional exibe, os governantes, que vão para os palanques carregando a bandeira da EDUCAÇÃO boa de voto...

Que TODOS digamos NÃO ao E ...NEM TÔ Aí... que tomou conta de nosso país.

Há mais de 50 anos eu repito o mesmo mantra - A Educação é o caminho mais curto e mais seguro para o desenvolvimento da sociedade em todos os seus vieses.
 

domingo, 5 de julho de 2015

Com apenas 26 anos, Clezivaldo Mizael toma posse presidência Rotary de União dos Palmares

Apesar da idade, jovem afirma que está preparado para assumir o desafio 

Com apenas 26 anos, Clezivaldo Mizael Neto tomará posse nesta terça-feira, 7, na presidência do Rotary de União dos Palmares e disse à reportagem que está preparado para assumir o desafio.
 
Clezivaldo Mizael foi eleito por unanimidade no último mês de dezembro e disse que está no Rotary há apenas onze meses. Segundo ele, desde a pré-adolescência sempre gostou de atuar em ações sociais, políticas. “Tudo começou na escola, fui presidente de sala em todos os anos que cursei o ensino fundamental e médio, só perdi eleição uma vez [rsrs]; fui presidente do grêmio estudantil da Escola Carlos Gomes, presidente da UMES, membro do Conselho de Direitos da Criança e Adolescente, membro do Conselho Municipal de Segurança Pública, nunca gostei de ficar parado, o social sempre foi meu lado forte”, observa.
O jovem Clezivaldo Mizael conta ainda que em 2014 recebeu o convite pra conhecer o Rotary e foi visitar: “Gostei do plano e objetivo da organização, de seu papel social em nível mundial e me associei”. Abaixo a pequena entrevista concedida à reportagem.

                                   
Primeiro Momento -  É a primeira vez que você assume a presidência da instituição?

Clezivaldo Mizael Neto - Sim, é a primeira vez. Faz apenas 11 meses que sou rotariano e em dezembro, época em que sempre se escolhe o próximo gestor do clube, fui eleito por unanimidade para presidir a organização no ano rotário que corresponde 2015/2016.

PM -  Quantos anos você tem?

CMN – (risos) 26 anos.

PM - Por que você, um rapaz tão jovem, resolveu assumir um cargo tão importante e de muita responsabilidade em uma instituição internacional como o Rotary?

CMN  - Desde a pré-adolescência sempre gostei de atuar em ações sociais e políticas; enfim, tudo começou na escola: fui presidente de sala em todos os anos que cursei o ensino fundamental e médio, só perdi eleição uma vez [rsrs]. Fui presidente do grêmio estudantil da Escola Carlos Gomes, presidente da UMES (entidade dos estudantes do município); membro do Conselho de Direitos da Criança e Adolescente, membro do Conselho Municipal de Segurança Pública. Nunca gostei de ficar parado; o social sempre foi meu lado forte. Em 2014 recebi o convite para conhecer o Rotary e fui visitar; gostei do plano e objetivo da organização, de seu papel social em nível mundial e me associei. Vi que no Rotary eu poderia ter a oportunidade de servir, de fazer mais por minha comunidade, claro com o apoio dos sócios e parceiros em potencial. 

PM -  Está preparado para esse desafio? Qual o seu objetivo?

CMN  - Reconheço que na juventude temos muita força e ânimo para fazer muita coisa ao mesmo tempo: a energia, pressa, mil sonhos, enfim... Mas dirigir um clube que carrega um nome tão forte exige habilidades como a perseverança, paciência, sabedoria e o trabalho. Estou preparado e tenho vários objetivos como: fortalecer nossa cidade com ações pontuais, fortalecer nosso clube com o aumento do quadro associativo, e enfim estar sempre disponível para servir nossa comunidade. Assim como servimos no momento daquela terrível catástrofe natural em 2010, o Rotary foi a primeiro organização a chegar na região com as barracas para abrigar as famílias [Shelterbox], roupas, alimentos, remédios, artigos para higiene, etc. Já servimos com o projeto LigthHouse e hoje com os projetos setoriais do programa ‘Eu sou União’.

PM - Você tem se engajado em algumas campanhas humanitárias em União. Quais são essas atividades e que resultado elas trouxeram?

CMN  - O Rotary em sua área de atuação concentra esforços em combater doenças, levar água potável para as comunidades onde não existe água limpa, fomentar educação, construir caminhos para a paz, cuidar de bebês e mamães evitando a morte infantil e materna, ajudar comunidades a se desenvolver econômica e sustentavelmente. Ao entrar no Rotary fiquei pensando no que poderíamos fazer para ajudar a cidade: daí lembrei dos bairros que têm espaços para práticas esportivas, mas não há nenhum incentivo, nem do município ou de outras organizações. Fiz um projeto, conseguimos recursos e estamos realizando A Caravana do Rotary, sempre tendo os parceiros e colaboradores em potencial desenvolvendo atividades esportivas, recreativas, de saúde e sociais. Os resultados são extraordinários, desde o sorriso da criança com olhar cheio de esperança, até a mãe que leva seu filho pra atendimento e recebe orientação de saúde e bem estar familiar.

PM -  Você acha importante esse tipo de ação? Por quê?

CMN  - Sim, sem dúvida. Temos visto, diariamente, centenas de crianças, jovens, adultos e famílias sofrerem as consequências da violência criminal e da violência de direitos. Direitos estes que são desviados do povo por políticos que não honram o dever outorgado pela população. Acredito em União e acho que as pessoas têm um poder extraordinário dentro de si: somos frutos de uma ideia divina e como filhos de um Deus misericordioso, benevolente, somos herdeiros destas características; só precisamos de um estímulo para viver e é o que estamos oferecendo.

PM - Fale um pouco de suas propostas e projetos. Pretende se candidatar a algum cargo público além da presidência do Rotary?

CMN  - Um ano de mandato passa muito rápido, estamos motivados à concluir o projeto ‘Eu sou União’ – a etapa esportiva será concluída em setembro e doaremos para as comunidades Newton Pereira e Nova Esperança todo o material esportivo usado no projeto, em seguida iremos para área da cultura com a produção de vídeos e fotos sobre a história de União, seus personagens históricos e vivos. Também temos o projeto “Arte no muro” que levará nossa cultura para as paredes ‘sujas’ da cidade com um pouco de grafite e pintura. Enfim, são várias ações, são muitas ideias e o tempo urge, entretanto de todos os projetos o que mais cativou é o sonho de abrir a Escola de Música do Rotary e acredito que iremos com a ajuda da população. Quanto à segunda pergunta, toda pessoa pública que tem respaldo e apoio da comunidade pensa ou já pensou em ocupar um cargo público: eu acredito na política séria, limpa, comprometida com o coletivo, transparente e com diálogo direto, acredito que ser prefeito, vereador, secretário do Executivo é uma honra para qualquer cidadão de bem com estas características. Eu acredito. Mas não há nenhum plano para que eu dispute eleição em União nestes próximos anos. Quero encerrar meu mandato no Rotary e me preparar para o futuro, outros desafios virão.

PM - Qual a importância da família para você?

CMN - Família para mim é o princípio de tudo: sem pai ou mãe não somos nada, aliás nem existiríamos; vivemos num mundo globalizado, onde o acesso à informação ficou mais prático e fácil, e isso é bom. Os direitos individuais e coletivos têm sido debatidos diuturnamente e isto é extraordinário, defendo o direito de todos, defendo a família, acredito que a família bem instruída, compromissada nos valores morais, sociais e espirituais tem muito a oferecer para a comunidade. Sou fruto de uma família assim, não posso deixar de defender a família.

PM - O que acha da aprovação da maioridade penal na Câmara Federal?

CMN  - A sociedade não amadureceu a ideia ainda;  o assunto não foi discutido abertamente com a sociedade e a mídia jogou uma bomba para a população. Obviamente que a sociedade escolheu a forma mais ‘prática’ à vista dela; o sistema falhou com a segurança e com a educação no país nos últimos anos, apesar dos avanços claro. Vimos cada vez mais crianças e jovens serem vítimas ou serem participantes de crimes. A Câmara apenas atendeu um apelo popular, se vai dar certo ou não, o tempo dirá. Mas eu defendo sempre a vida, a oportunidade de transformação através da família, da religião, do trabalho digno e claro da educação.

PM  - Avalia que a solução para jovens infratores seja a reclusão?

CMN  - Não. Ninguém aprende nada de bom preso num cubículo frio, sujo e escuro com outros infratores. A solução é mudar todo o sistema de reclusão brasileiro, mas ninguém discute isso porque exigiria reformas, investimentos e quando se fala em investimentos, o assunto rapidamente é dispensado. Prender, calar, bater, matar não é solução para as mazelas que há na sociedade, precisamos sim construir oportunidades para que crianças e jovens tenham a chance de ter uma vida digna. Acredito que quando o sistema verdadeiramente funcionar, não teremos tantos casos ruins, como os que temos visto.

PM  - Fique à vontade para fazer suas considerações

CMN  - Sinto-me muito honrado em poder servir à minha comunidade como presidente do Rotary Club de União. É uma oportunidade de dizer e mostrar que a juventude tem muito a oferecer, é o momento de mostrar que temos sim condições de protagonizar as mudanças que queremos na nossa cidade. Há muito a ser feito e muito vamos fazer. Sou grato por cada passo e ajuda que obtive no meu caminho, eles me trouxeram aqui. Obrigado pela oportunidade de falar um pouco sobre este desafio. “Pronto para mais uma missão, vamos ao trabalho”.


Leia também


Mãe pode ser presa por reclamar de sua filha vestida de mãe de santo

 Ex-namorada do ator Henri Castelli é acusada de intolerância religiosa 
 
A mãe da filha de Henri Castelli, Juliana Despirito, será indiciada por intolerância religiosa por ter reclamado nas redes sociais que o seu ex-namorado havia vestido a pequena Maria Eduarda com trajes da religião Umbanda.

O caso aconteceu no começo de maio e a yalorixá Neide Oyá, que aparece na foto com a criança, registrou um boletim de ocorrência no 2º Distrito Policial de Maceió alegando ser vítima de intolerância religiosa.

Juliana fez dois comentários sobre a foto, o primeiro deles no Instagram do ator dizendo: “Minha filha foi presente de Deus… Ela não pertence a nenhum outro espírito que não seja o Espírito Santo de Deus!”

No mesmo comentário ela alfinetou o ex-namorado dizendo: “Ao invés de falar de amor e bondade, seja de verdade! Parede de fingir o que você não é! Não adianta ser bonito por fora quando é escuridão por dentro! Eu sou mãe e sou eu que cuido!”

A mensagem teve muita repercussão na rede social e em seu próprio Instagram Juliana precisou se explicar: “#desabafo #chegadefarsa #chegadementira #aquinaoentramacumba PS: para quem se sentiu desrespeitado pela religião esta não foi a intenção. Minha filha quando crescer vai poder escolher o que faz ela feliz! Só não acho certo eu ver minha filha vestida de mãe de santo sem ter idade e discernimento das coisas. Se desabafei aqui é porque sou feita de carne e osso e tive os meus motivos! Como mãe me senti muito desrespeitada.”

Mas a mãe de santo se sentiu ofendida com a mensagem e procurou a polícia dizendo que teve medo por sua vida e pela de sua família. “De repente peguei o telefone e me apavorei. Senti medo e fui encurralada com a quantidade de ofensas e ameaças. O que ia acontecer com a minha família? Ela não atingiu só a minha imagem, mas sim todos da minha religião”, disse.

A foto foi tirada em um almoço comemorativo em Serra da Barriga, no sítio da mãe de santo em Alagoas. A imagem publicada por Henri Castelli teve mais de 16 mil comentários, muitos de críticas à religião e outros de apoio ao ator que é umbandista.

O caso de Juliana será investigado e ela pode ser condenada de um a três anos de prisão. Ela será indiciada por intolerância religiosa tipificada nos artigos 20 da lei 7.716/89 e no artigo 208 do Código Penal.

Ator e outras entidades religiosas também processam


O ator Henri Castelli já foi até Maceió prestar esclarecimento à polícia, ele também moveu um processo contra sua ex-namorada em São Paulo pelos mesmos crimes de intolerância religiosa.
“Ele (Henri) reafirmou que a conduta da Juliana foi ofensiva à mãe Neide, à religião e a ele próprio. A fala dele contribuiu para o andamento da investigação”, disse o delegado Alcides Andrade.

Além do ator outras entidades religiosas também moveram ações contra Juliana Despirito e segundo um dos advogados de Henri Castelli, o advogado Newton Pereira Gonçalves, outros órgãos que se sentiram ofendidos também poderão mover ações contra ela. “Outras entidades estão nos apoiando, se manifestando em seus estados com apoio dos MPs. Elas planejam entrar com outras representações. Assim sendo, esse caso ainda vai ter outros desdobramentos”, disse.

Zumbi dos Palmares

Zumbi dos Palmares  é um conhecido líder quilombola. Sua história começa em 1655 com seu nascimento em Alagoas, em um dos mocambos de Palmares. O seu nome vem do quimbundo “nzumbi”, e quer dizer “duende” (no Brasil, a tradução também é interpretada como “fantasma”). 

Com apenas sete anos, em 1662, Zumbi é capturado por soldados e entregue a um padre (Pe. António Melo) que torna-se responsável por sua formação. Batizado na igreja Católica como Francisco, ele ajudava nas missas além de estudar Português e Latim.

Aos quinze anos, em 1670, Zumbi foge para o Quilombo de Palmares  onde obtém reconhecimento pelas suas habilidades marciais. Com apenas vinte anos (1675) já é um respeitável estrategista militar e guerreiro, atuando na luta contra os soldados do Sargento-mor Manuel Lopes.

1673 é a data do primeiro registro histórico referente a Zumbi. Seu nome aparece em relatos portugueses sobre uma expedição que foi derrotada pelos quilombolas.

Em 1678 o líder de Palmares, Ganga-Zumba, é chamado a negociar com o governador da Capitania de Pernambuco (Pedro de Almeida). A proposta do governador consistia em dar liberdade para os negros do Quilombo de Palmares perante a submissão à Coroa Portuguesa. Ganga-Zumba aceita, mas Zumbi vai contra essa decisão alegando que não se podia dar a liberdade somente ao povo de Palmares havendo ainda milhares de outros negros sendo escravizados. Por este ato, Zumbi se torna o novo líder de Palmares.

Notando a dificuldade de derrotar o quilombo, contrata-se o bandeirante paulistano Domingos Jorge Velho. Com o apoio do governo, Jorge Velho e seus homens rechaçam Palmares e ferem Zumbi, que consegue fugir. Um ano depois, ao dia 20 de novembro de 1695, Zumbi é delatado por um antigo companheiro – após localizado, ele é preso e degolado.

sexta-feira, 3 de julho de 2015

Riacho transborda em União dos Palmares

 O riacho Canabrava, que atravessa dois bairros da periferia de União dos Palmares, um dos principais afluentes do Rio Mundaú, transbordou na tarde de hoje causando aos moradores da região.

A água invadiu algumas ruas no bairro Roberto Correia de Araújo e moradores estão preocupados com a possibilidade de terem que deixar suas casas, pois as fortes chuvas não param de cair na cidade.

A redação recebeu algumas fotos, enviadas pela moradora Maria Cícera, que reside próximo ao riacho. Todo ano quando chove, os moradores ficam apreensivos por conta das águas que invadem as ruas da periferia de União dos Palmares.
 
Em 2010 uma grande enchente afetou 19 municípios no Estado e ainda hoje famílias estão desabrigadas aguardando casas do programa da reconstrução. As ruas da Ponte e do Jatobá, em União, foram dizimadas pelas águas do Mundaú. 

“Na entrada da cidade e em bairros periféricos cortados pelo riacho Canabrava, quando chove é um desespero, pois grande parte do riacho foi aterrado para construções, mas quando chove a natureza requer o lugar de volta”, disse uma moradora do bairro. 

Segundo informações de moradores, duas pontes já estão cobertas no bairro.

Fonte: Primeiro Momento

quinta-feira, 2 de julho de 2015

Faça seu curso nas áreas de Administração, História, Matemática, Educação Física, Serviço Social, Ciências Biológicas e Teologia

  1. Atenção:
O Centro de Educação Básica e Profissional Santa Maria Madalena – CEPB, em parceria com Instituições de Ensino Superior, CREDENCIADAS E RECONHECIDAS pelo MEC, trouxe para União dos Palmares e região o Programa Especial de Extensão Superior - PROEX. 

Faça seu curso nas áreas de Administração, História, Matemática, Educação Física, Serviço Social, Ciências Biológicas e Teologia. 

AULAS PRESENCIAIS. 

INSCRIÇÕES GRÁTIS. 

E Mensalidades a partir de R$ 165,00 Reais e trazendo um amigo ou parente receberá desconto especial na primeira mensalidade.

Para portadores de diplomas em busca da segunda graduação temos desconto especial para servidores públicos. 

Inscrições abertas até o dia 24/07. Seleção em 26/07. Início das aulas em agosto de 2015. Garanta já sua vaga. Não perca esta oportunidade de investir no seu futuro.

Maiores informações 3281-4223 ou 99103-3182 / 99931-6993. 
Centro de Educação Básica e Profissional Santa Maria Madalena. 
Rua Orlando Bugarim, 76. 

quarta-feira, 1 de julho de 2015

"Professores comprometidos deviam ser profissões proibidas por lei" Por Professor Nazareno

Estudar é uma das maiores besteiras que um indivíduo pode fazer na vida. A busca pelo conhecimento tornou o homem, através dos tempos, um perfeito idiota, um sujeito sem futuro, um escravo dos livros e das enciclopédias, enfim, um “Zé Mané” sem eira nem beira. A ciência não serve para nada. O saber testado e comprovado é uma tolice sem tamanho. Ter know-how e amplo domínio da tecnologia é um grande desperdício. A busca pela leitura de mundo é uma inutilidade sem fim. Conhecer o universo, as grandes escolas mundiais do saber e as relações que os norteiam, além de caro e difícil é totalmente inútil. Todas as escolas deviam ser fechadas. Professores deviam ser criminalizados, perseguidos e queimados vivos em praça pública. “Ler devia ser proibido” no Brasil e quem fosse flagrado com um livro devia ser punido e preso. 

Todos os países que investiram maciçamente em seus sistemas de educação estão hoje na miséria e praticamente sem nenhum reconhecimento internacional. Estados Unidos, Alemanha, Japão, Coreia do Sul, os países escandinavos e a maioria das nações da Europa Ocidental têm os piores sistemas de educação do planeta e por isso sofrem agruras irreparáveis em suas sociedades. Pior, em alguns desses países citados muitos de seus habitantes são ateus convictos. Abriram mão da religião e abraçaram a ciência, o conhecimento, o domínio da tecnologia e por isso “se ferraram”. Na Suécia, por exemplo, 86% de seus cidadãos são ateus ou agnósticos. Os suecos, coitados, têm uma das sociedades mais problemáticas do mundo. O IDH somado de Holanda, Noruega, Suíça e Bélgica é bem menor do que o do Estado de Rondônia. 

Investir em educação de qualidade é totalmente desnecessário. Os nossos governantes e parte da sociedade brasileira sabem muito bem disto. Quase todas as escolas do país só têm um turno diário para não estressar os alunos. Ir à igreja orar ou assistir aos programas eleitorais gratuitos, além de navegar horas a fio na internet e nas redes sociais é o que devia ser incentivado aos nossos “inteligentes e espertos” jovens. Ler Foucault, Nietzsche, Drummond, Machado de Assis, Clarice Lispector, Fernando Pessoa, Shakespeare, etc. só dá prejuízo e atraso de vida. Ninguém consegue aprender nada com estes fracassados autores que, graças a Deus, já estão mortos e enterrados. O conhecimento deles sempre foi um grande atraso para a humanidade e o seu legado, uma porcaria. Deviam queimar todos os seus livros. Mas queimar livros é mesmo bom?

Ser padre, pastor evangélico, ator de novelas, miss, DJ, designer de modas, cantor de pagode, político ou jogador de futebol é o que deviam ensinar à nossa juventude. Um país sério só precisa dessas profissões abençoadas por Deus para se desenvolver com mais paz, bonança e justiça social. Filósofos, sociólogos, poetas, dramaturgos, escritores, jornalistas competentes, professores comprometidos deviam ser profissões proibidas por lei. Toda nação séria devia trocar sua constituição pela Bíblia. E nada de laicidade. Se só há um único Deus, por que não aceitá-LO logo sem questionamentos tolos e incorretos? Além de pecado, o termo Estado laico deveria ser banido do nosso cotidiano. Foi o conhecimento que criou a união estável, o aborto, a eutanásia, os preservativos e outros modismos difundidos hoje como aberrações sociais. Por isso, fechem-se todas as escolas e universidades! “Quem lê muito pode virar ateu”.

Fonte: RondoniaoVivo

segunda-feira, 29 de junho de 2015

"Meus pais chegaram para mim e disseram: Se dê ao respeito." Dragão

Imagine um lugar que era ao mesmo tempo especial e assustador. Era assim que Antônio da Silva, mais conhecido como Dragão, via o Rio Mundaú. As águas serviam para o principal lazer das crianças das antigas ruas Demócrito Gracindo Rua da Ponte) e Jatobá, mas também tinha outras serventias, como lavar roupa, pratos, tomar banho, pescar para se alimentar e revender. Era assim nas décadas de 60 e 70, ano em que Dragão vivia junto com os colegas desbravando o rio. Porém esse mesmo rio destruía tudo que via pela frente. No inverno enquanto uns dormiam, outros vigiavam o aumento das águas. Dragão lembra que não foi só a enchente de junho de 2010 que destruiu a sua casa e dos demais moradores.

O gosto pela cultura herdou dos pais e tios, que já participavam de grupos como guerreiros, baianas e outros. Desde pequeno se apresentava com a família nas festas de União dos Palmares. O olhar atento de criança analisava a criação das roupas e a escolhas das músicas. O pai que veio do município de Atalaia era funcionário da fábrica de doces na Rua da Ponte, Dragão e os irmãos nasceram em União.


Aos 18 anos já participava dos festivais de calouros apresentado pelo comunicador Kleber Marques, daí veio o convite para integrar a Banda Açaí, que mais tarde teria outros nomes, como contágio e contágio tropical. Depois de 4 anos na banda foi morar em Arapiraca e ser um dos integrantes das bandas Alta Voltagem e Cio da Terra.


Em 1999 de volta a União decidiu trabalhar para si mesmo e criou a Banda Afro Nação Dandara. Começou a realizar estudos ligados a cultura negra, como a musicalidade, roupas, comidas e etc. Dragão disse que nessa época frequentava um centro espírita e resolveu conhecer a religião de matriz africana. Na nova religião o preconceito dos leigos não o incomodava, o compositor diz que muitos só querem enxergar o lado ruim da religião, para ele tem gente ruim em todas as igrejas.

 
Na Banda Afro Nação Dandara é ele quem compõe as músicas, desenha e costura as roupas de todos os componentes. Disse que lembra das criações que sua família e vizinhos faziam nos grupos folclóricos e que é daí também que vem a sua facilidade em realizar suas criações. Como a banda tem crianças, ele pede a autorização dos pais dos integrantes.


Morador do bairro Padre Donald e contratado da prefeitura há 10 anos o músico diz que está ansioso para ter sua casa no conjunto Nilton Pereira e que na comunidade quer fortalecer o bloco de carnaval Unidos da Ponte. Com o segundo grau completo, Dragão diz que é difícil fazer cultura, não só em União, mas no Brasil, segundo ele pela falta de apoio.

Homossexual assumido, o costureiro disse que conversou com os pais a respeito de sua sexualidade quando tinha 18 anos. Os pais na ocasião lhe disseram que apesar de tudo ele era seu filho e fizeram um pedido que ele não usasse vestido. Dragão diz que foi um dos primeiros homossexuais na cidade a usar brinco e roupas coladas, com isso sofreu preconceito, já com os amigos não teve problema, jogava bola, passeava e ia as festas como nos tempos que tomava banho no Rio Mundaú.

domingo, 28 de junho de 2015

Como ter um bom relacionamento com os professores

Ter um bom convívio com os professores da sua instituição de ensino é essencial. Leia as dicas e veja como melhorar o seu relacionamento com os professores.

Um bom relacionamento com professores é essencial para um bom ambiente em sala de aula no seu dia-a-dia e para que aproveite melhor as suas aulas, melhorando os seus conhecimentos ao esclarecer as dúvidas e aceitar as sugestões do professor. Para que isso se torne possível, existem algumas dicas que o podem ajudar. Confira:

1. Conversar sobre mudanças
Quando o seu professor fizer alguma mudança no plano de aula ou nos prazos de entrega dos trabalhos que por qualquer motivo não seja do seu agrado, não reclame. Saiba qual a melhor forma de conversar com ele e explique a razão pela qual aquela decisão não foi a melhor para você e o questione sobre alguma alternativa.

2 . Organização
Muitas pessoas têm que conciliar o trabalho com os estudos ou têm um dia-a-dia muito ocupado com outras atividades paralelas. Seja qual for o seu caso, é importante que saiba como se deve organizar para não passar o curso perguntando ao seu professor se pode entregar um projeto depois do prazo, por exemplo.

3. Aceitar sugestões
Quando receber um comentário negativo em algum dos seus projetos, não leve para o lado pessoal. Os professores devem ensinar e você só poderá aprender com os seus erros se souber aceitá-los e mudar. Por isso, ouça as sugestões para melhorar o seu desempenho.

4. Simpatia
Ser simpático com qualquer pessoa é uma tarefa imprescindível por muitos motivos. Com os seus professores, a simpatia também é necessária, sobretudo se pretende desenvolver um bom relacionamento com os membros do corpo docente.

5. Solucionar dúvidas
Sempre que surgir alguma dúvida sobre qualquer assunto relacionado com o conteúdo apresentado em aula, pergunte ao seu professor. Além de ser a única maneira de aprender bem, essa atitude também pode fazer com que desenvolva uma relação mais agradável com os professores, mostrando que está atento às aulas e que tem interesse em melhorar os seus conhecimentos.