Pages

sábado, 6 de setembro de 2014

Histórias de Sílvio Sarmento "A Cavala"



Eu esperei encontrar até agora uma foto que representasse a figura da que nem eu e nem ninguem jamais conhecemos, mas que fez parte da minha infância e do imaginário de muitos adultos palmarinos até hoje: A CAVALA! Como não encontrei a foto, faça você mesmo à sua imaginação. Era inverno fechado quando correu na cidade a notícia de que um pássaro gigante, às altas horas da noite, voava da Serra da Laje à Serra do Frio, num estridente ruído que se entendia por... CAVALA !.. CAVALA!... CAVALA!... União não tinha ainda a energia e luzes de hoje.

A energia à motor era da Empresa Municipal e as luzes, pouquíssimas, serviam apenas à avenida e à Pça Basiliano e funcionavam das 18 às 22 horas. Comentários terríveis amedrontavam a meninada. "Foi a filha que bateu na mãe com um quarto de bode", diziam uns. "Uma previsão do Santo do Juazeiro", diziam outros. "Alguem que não pagou a promessa ao Padre Cícero". "O cumpade mais a cumade num cruzado fogo corredor!" Todos os dias formavam-se romarias no final da rua do Congote, verdadeiras correntes para ouvir (e quem sabe!), se juntar, matar ou excomungar a CAVALA.

Meu pai, ao tomar conhecimento do desejo de minha mãe de ver ou ouvir o tal bicho, reagiu com ironia e despreso o que não me desencorajou. Mas minha mãe, que não perdia nem caminhada das Santas Missões junto comigo, aliou-se à Massú, Belma, Zezé e outros vizinhos e fomos ver a CAVALA. Eu atolava a todo instante e observava curioso, medroso e atentamente o povo que ía e vinha com guarda chuvas, candeeiros, lanternas, sempre comentando o que não tinha visto, principalmente a CAVALA que nunca apareceu.


O que se ouviu e viu mesmo, e só alguns anos mais tarde é que vim entender, foi que, nove meses depois da CAVALA, inúmeras criança lotaram a recem construida Maternidade Santa Catarina do nosso Hospital São Vicente que teve sua capacidade esgotada. Rá rá rá! Aí virou folclore! /// MINHA TERRA, PORQUE TE QUERO! /// História parecida com essa é aquela de... "isso é a mesma coisa que catar pirim!" Quem souber, conte antes de mim. 

2 comentários:

  1. Eu ja pesquisei e ja tentei de todas as maneiras descobri algo sobre esse passaro noturno,mas em vao,nao descobri nada a respeito.mas ja ouvi seu canto quando criança e lembro cmo se fosse hoje.e seu canto é irripilante,asustador.simplismente eh;cavala,cavala,cavala.repetindo por três vezes.e apos uma risada xmo se fosse de um ser umano.lembro cmo se fosse hoje

    ResponderExcluir
  2. Semana passada cantou em minha localidade,já faziam anos que não eram ouvidos seus cantos

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar!
Continue nos visitando!