Pages

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Sonda me Por Ysolda Paulino



A música religiosa Sonda Me é um das mais tocadas e já foi gravada pelo Padre Marcelo Rossi, Aline Barros, entre outros cantores gospel. Esse semana Tadeu Paulino se juntou ao cantor Daniel Monteiro, a modelo fotográfica palmarina Ysolda Paulino e Clezivaldo Mizael para gravar a canção na Igreja Adventista do Sétimo Dia, aqui em União dos Palmares. Mizael ficou responsável pela gravação e edição.

Ysolda tem 18 anos e quer ser cantora. Durante a gravação aproveitou para soltar a voz com outras belas músicas. A moça já vem recebendo convites para cantar em aniversários e casamentos.

Vale apenas dá uma olhada no vídeo

Sucesso para Ysolda Paulino e Daniel Monteiro

Maria Mariá de Castro Sarmento

"Um prêmio, um nome, uma guerreira!"
Maria Mariá, da terra de Jorge de Lima, nasceu com o gosto pela leitura, pela escrita e pela história popular de seu povo e de sua cidade. Solitária depois da morte da mãe, isolou-se em uma casa de dois andares, numa das principais ruas de União dos Palmares, para cultivar um passatempo que virou um acervo do patrimônio cultural do município.

Do quarto de cima, enquanto escrevia, lia e catalogava objetos, Mariá deliciava-se com a vista para a Serra da Barriga. Nos fins de tarde, costuma jogar gamão, cartas e dominós com alguém não menos controvertido. O próprio "diabo".
É o sobrinho Sílvio quem conta. "Achamos, entre seus pertences, os papéis onde mostravam os jogos, com o nome dela e o de alguém que ela identificava como diabo", lembra. "Minha tia era diferente, honesta, inteligente e extremamente sozinha na sua busca pelo aperfeiçoamento cultural", acrescenta.
Apesar de extravassar seu repúdio às convenções sociais, Mariá decidiu, até por insistência dos políticos locais na época, entrar na política em 72. Candidatou-se a uma cadeira na Câmara Municipal de Vereadores e foi derrotada.

Mas no palanque eleitoral, pôde exercitar seu direito de cidadã política e regozijou-se com o fato de uma mulher palmarina estar defendendo publicamente projetos políticos partidários. Com a desaprovação nas urnas, afastou-se definitivamente da disputa eleitoral e entregou-se de novo à cultura.
E assim, viveu Mariá. Uma Mariá que em 1952, ao lado do irmão Paulo, vestiu-se de Maria Bonita e ele de Lampião, para viverem o carnaval da época. Uma Mariá que adorava viajar de trem, conhecer gente nova, lugares novos, que soube ser leitora e escritora, atriz, museóloga, historiadora, além de ser jornalista, professora e revolucionária.

Há quem aposte que ela militou no Partido Comunista, mas nas suas referências Mariá não cita isso. Deixa, tão-somente, o que acumulou culturalmente para União dos Palmares e a história do povo alagoano da Zona da Mata. E assim, foi Mariá.

Natural da terra de Zumbi e Jorge de Lima, a educadora, folclorista, historiadora, jornalista, colecionadora e ativista cultural Maria Mariá de Castro Sarmento nasceu em União dos Palmares, num povoado onde se localiza a Usina Laginha, no dia 16 de junho de 1917. Faleceu no dia 28 de fevereiro de 1993, vítima de um infarto agudo do miocárdio, aos 76 anos de idade.


Fontes de Pesquisa:
Professora Salomé Duarte de França
Fotos: Arquivos fotográficos pertencente aos acervos da Escola Estadual Dr. Carlos Gomes de Barros e Maria Mariá de Castro Sarmento.
Folheto encontrado entre vários outros no arquivo da Biblioteca Municipal Dr. Jorge de Lima.

Por dentro da sua casa: